quarta-feira, 8 de julho de 2009

2001: ODISSEIA NO ESPAÇO (1968)

PONTUAÇÃO: EXCELENTE
★★★★★
Título Original: 2001: A Space Odyssey
Realização: Stanley Kubrick
Principais Actores: Keir Dullea, Gary Lockwood, William Sylvester

Crítica:

A INTEMPORAL HISTÓRIA DO HOMEM

De uma genialidade arrepiante e visualmente espectacular (note-se a sofisticação dos efeitos especiais ou a beleza hipnótica da fotografia), 2001: Odisseia no Espaço é, meritoriamente, uma das maiores obras-primas da História do Cinema.

A realização de Kubrick é uma assombrosa revolução estética, por meio da qual é alcançada a pureza da poesia, não em palavras, mas em imagens e em sons. E quando o autor prescinde do silêncio cósmico e do tão profético quanto alegórico-filosófico argumento (escrito a duas mãos entre Kubrick e Arthur C. Clarke) e recorre então à música, os temas de Richard Strauss (Also Sprach Zaratustra), Johann Strauss (An der schönen blauen Donau) e de Gyorgy Ligeti (Lux Aeterna e Requiem) eternizam-se na vastidão da imagem e do tempo. Os ângulos que a câmara de Kubrick escolhe para filmar são radicalmente perfeitos. O design dos cenários e dos elementos decorativos é vanguardista e profundamente inspirador.

2001: Odisseia no Espaço é, enfim, um autêntico universo paralelo, rico em significados, mistério e metafísica. Da evolução à inteligência artificial, é uma experiência artística ímpar e um exercício de reflexão derradeiramente importante. Se alguma vez houve Deus, este foi, certamente, o filme que mais se lhe aproximou.

23 comentários:

  1. "Em construção" é um termo cabível para descrever como o filme cresce com o tempo. Misterioso e fascinante.

    ResponderEliminar
  2. GUSTAVO: [Em construção] significa que a crítica será publicada em breve e que está a ser elaborada. Não se refere directamente ao filme em questão; daí os parênteses rectos.

    Não sei se o filme cresce com o tempo, talvez o faça em alguns aspectos, mas o filme é, como agora digo na crítica, um autêntico universo. Como dizes, e bem, misterioso e fascinante. Um dos melhores filmes de sempre.

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  3. É mesmo um filme excelente em todos os sentidos. E com o tempo tenho-o apreciado ainda mais.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. eu ainda não o vi,nem a nenhuma obra de Kubrick,com muita pena minha.

    mas uns sinceros parabéns pela soberba crítica.

    abraço

    ResponderEliminar
  5. Eu sou daqueles que terá que partilhar de uma opinião menos eufórica. Se é verdade que lhe reconheço muitas qualidade nomeadamente a nível visual é-me impossível não considerar que a narrativa se torna demasiado lenta.

    Tal facto vai diminuindo a minha apreciação do filme.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. ÁLVARO MARTINS: Maior.

    GEMA: Em todos mesmo.

    JACKIE BROWN: Muito, muito obrigado pelo elogio. Tens que ver. É ... genialmente fascinante. E, na minha opinião, um dos maiores maiores filmes de sempre.

    FIFECO: O cinema não descende só da literatura. É literatura, é imagem, é som. É, pelo menos, maior em todas essas 3 componentes, e não podemos analisar um filme à luz da sua narrativa, apenas. Considero essa análise redutora. O argumento é muito, muito importante, mas às vezes chega-nos por meio de imagens, de sons, e não só de palavras. É o caso. 2001 é grande a nível visual, mas também visualmente narra a história. Não nego que o ritmo da narrativa seja lento, mas isso não é necessariamente mau. E aqui não é de certeza, de acordo com a minha opinião.

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  7. Sim, é certo que o cinema não é só literatura. Eu sou um dos primeiros a afirmar isso mesmo. Mas se um das componentes vai falhando como quanto a mim foi o caso, não posso ignora-la em detrimento dos outros aspectos. Para uma obra ser perfeita (ou excelente) terá que ter uma harmonia muito considerável entre os níveis qualitativos a nível extremamente positivo entre todos os aspectos mencionados. Para mim 2001 não atingiu esse equilíbrio. Para ti atingiu. Respeito isso mas posso não concordar.

    ResponderEliminar
  8. FIFECO: Então é precisamente isso :) e estamos entendidos.

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  9. Lady on the Radiator12 de julho de 2009 às 01:16

    Eu só pretendo acrescentar um pouco àquilo que já foi aqui dito. Faço já a ressalva que sou um seguidor do Kubrick, vi tudo o que há para ver, incluindo alguns dos menos conhecidos (muito antes do spartacus e paths of glory). Para começar a narrativa do 2001 tem de ser lenta, só assim faz sentido, como filme metafísico, alegórico e claustrofóbico, para cativar o espectador é necessário dar-lhe tempo para digerir toda a relação música-imagem. para além disso é um filme que, de uma forma brutal, nos mostra a evolução do ser humano, no seu âmbito tecnológico e filosófico. Aliás esta ligação é soberbamente explorada no filme. Kubrick, com o 2001 não fez somente um filme, fez história, encaixou milhares de anos de evolução num único filme.

    ResponderEliminar
  10. LADY ON THE RADIATOR: Subscrevo-te, inteiramente.

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  11. Considero este um dos filmes mais corajosos jamais feitos, pela primeira vez o espaço foi filmado como realmente é, silencioso. O aspecto visual de um filme ganha aqui toda uma nova perspectiva. No entanto devo confessar que me é difícil ver este filme, a narrativa arrasta-se demasiado e embora o considere um grande filme, nunca estará entre as minhas preferências pessoais.

    Abraço

    ResponderEliminar
  12. ADDCRITICS: «Corajoso» também é um bom adjectivo para caracterizar esta ambiciosa e tão original obra. Eu por acaso adoro ritmos lentos se bem suculentos e como para mim é o caso, o filme entrou directamente (por tantos outros motivos também, é certo) para o meu top pessoal.

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  13. Estou um pouco com o Fifeco. O filme é tremendamente forte no visual, mas em termos de narrativa, especialmente na segunda parte, torna-se demasiado cansativo, infelizmente. Digo-te mesmo que na primeira hora não me cansou, até estava gostando e apreciando as belas cenas lentas no espaço, na nave tão bem conjugadas com os sons e as músicas. Depois e em particular numa segunda fase da película tendo como base a missão a Júpiter, torna-se demasiado lento, penoso e cansativo a níveis de desenvolvimento. Até aqui a banda sonora desaparece, ainda que percebo a intenção que resulta bem numa primeira e segunda cenas, depois vai-se tornando muito, exageradamente lento, subjectivo e até confuso.
    Ao contrário e a título de exemplo, acho a sequência inicial dos macacos equilibrada e doseada correctamente. Gostei bastante.

    Enfim, o tema agrada-me, a mensagem é sublime e intemporal, as interpretações são várias e aí reside porventura a qualidade, mas para níveis mais "terrenos", mais equilibrados, para mim não funciona. Pelo menos no que eu gostaria. Ainda assim é inegável, filme de enorme valor técnico e visual, que apesar de tudo incutiu-me fascínio. Já não é pouco.

    abraço

    ResponderEliminar
  14. JORGE: Estou morto de saudades deste filme, tenho de revê-lo e escrever uma nova crítica. Mas não percebo como pode alguém negar-lhe a excelência e a genialidade do todo. É, provavelmente, o melhor filme de sempre, ou um dos mais habilitados ao título. Não consigo apontar-lhe defeitos.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  15. Pois eu diria que a desilusão passa pela pouca capacidade de entretenimento que possui, pelo menos a nível pessoal. Isto não quer dizer que não reconheça as suas qualidades, imensas, e que no seu todo constitua de facto uma obra de grande valor.

    Mas lá está, para mim, falha no aspecto de entretenimento, que é sempre necessário para se atingir depois outras etapas, nomeadamente de valores artísticos. Aqui tem-nos imensos, sem dúvida, mas falta-lhe mais equilíbrio narrativo.

    Contudo, e dado o fascínio que fiquei, irei certamente revê-lo e, porventura, nunca se sabe posso mudar de opinião. Não estará muito longe disso, arrisco.

    abraço

    ResponderEliminar
  16. JORGE: Pois, não sei bem o que dizer quando te referes ao "entretenimento". Não sei mesmo que expectativas tinhas em relação ao filme. O filme toca a transcendência por meio da metafísica, da reflexão filosófica. Não é, propriamente, e aos olhos do conceito contemporâneo, uma obra de entretenimento.
    Também não estou de acordo em relação ao desiquilíbrio narrativo...
    Ou temos opiniões distintas ou então faltar-te-á superar a frustração das expectativas e encarar e considerar a obra por aquilo que ela é e não por aquilo que esperavas que fosse.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  17. Entretenimento enquanto capacidade de nos manter atentos e cativados por o que se está a ver. Depende como é óbvio da pessoa. Não me estava a referir a conceitos actuais de acção e constante dinâmica.

    Não será tanto desequilíbrio narrativo, é mais o extremismo, o exagero na lentidão, na ausência de falas, sons ou música. Carece de equilíbrio. Isto claro para os meus padrões, nesse aspecto de facto se afasta.

    E não é uma questão de expectativas, ao contrário do que é costume, porque já tinha lido umas coisas e estava até algo receoso.
    Diria que passa mais para o que é comum dizer-se de Kubrick, primeiro estranha-se e depois entranha-se. Espero bem que seja assim...até porque até à data as obras que menos gostei são as melhores segundo a generalidade.

    abraço

    ResponderEliminar
  18. JORGE: Suponho então que estejas na fase do estranhamento! ;D

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  19. Bom revi o filme quase na sua totalidade e tenho a dizer que melhorou um pouco na minha apreciação. Ainda considero demasiado parado em determinados momentos, que quebram o ritmo ou exageram no mesmo. Ainda assim considero uma obra interessantíssima e essencial. Uma experiência visual e musical poderosa. Aí reconheço e gosto.

    Começo também a entranhar-me mais na sua dimensão que é algo cíclica, redonda e harmoniosa. Até o efeito lento da narrativa e dos movimentos associados se pode explicar pela força da gravidade. Interessante sem dúvida.

    abraço

    ResponderEliminar
  20. JORGE: Primeiro estranha-se...
    Ainda hás-de vir a gostar mais deste filme, certamente ;D

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  21. É um filme que dispensa maiores elogios. É um dos meus top 10 de todos os tempos. Sempre que passo aos meus alunos adolescentes eles ficam impactados, sinal de que algo do filme foi uma descoberta para eles.

    ResponderEliminar
  22. ENALDO: Também figura no meu top (como poderia não figurar), para mim um dos melhores filmes de sempre, senão o melhor.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões